O evangelho não é bolo para Re-formar

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

A proposta de Jesus NUNCA foi religiosa, Jesus NÃO queria fundar uma religião. O Evangelho é muito claro a respeito do que Jesus ensinou e o que Ele combateu enquanto estava conosco em carne, ossos, ligamentos, tendões e sangue.
Jesus propôs consciência e vida santa, justa, verdadeira.
Propôs extirparmos nossos ritos religiosos trocando-os pela consciência do Pai que temos; consciência do Amor que tudo sofre, tudo crê, tudo suporta; Amor que jamais acaba e que é infinitamente superior a QUALQUER outra coisa que possamos ter ou fazer.
Então não faz sentido algum reformar, dar nova fôrma a algo que Jesus NÃO ensinou como vida, como verdade.
A proposta do Evangelho é radical, é viver em graça e misericórdia, é matar o juiz que há dentro de nós que julga os diferentes e só aceita os iguais; é renovar a fraternidade, o respeito mútuo, o amor sem medidas; é perdoar, é nos doarmos, é lançarmos mão dos nossos direitos; é confiarmos na justiça de Deus; é acreditarmos na bondade do Pai; é sofrermos o dano do furto, das agressões físicas e verbais depositando-as no altar celeste mediante oração.
As distinções que as religiões fazem entre o santo e o profano, entre filhos de Deus e filhos do diabo, entre locais consagrados e locais prostituídos; entre aqueles que são fiéis e aqueles que são infiéis; entre a ortodoxia e a heterodoxia, simplesmente não são ensinadas por Jesus. Nunca foi meta, nunca foi proposto esse tipo de coisa por Ele, pois Ele que é o Mestre e o Senhor, nunca esteve nem aí para a religião oficial, para os ritos, para a interpretação que os teólogos faziam de pessoas de Deus e pessoas do diabo, visto que TUDO é dEle e para Ele e o infeliz do diabo nada tem.



Cláudio Nunes Horácio





Pela regeneração de nós mesmos no Evangelho

39 comentários:

Regina Farias disse...

Desculpaí mas vou colar no meu blog...

Adriana disse...

tá desculpado rsss

Eduardo Medeiros disse...

Ô, sumidaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

Li a postagem anterior e os comentários, mas cheguei um pouco atrasado para entrar matando e de sola na discussão....heeeee

Eu não escrevi nada (ainda) sobre a matéria da Época, mas tenho lido o que o pessoal está escrevendo. Talvez eu toque no assunto quando a poeira baixar.

Este texto do Cláudio é muito bom, mesmo assim, eu teria algumas discordâncias.

Não acredito que Jesus "não estava nem aí para religião".

Ora, Jesus era "judeu" e para quem não sabe, judeu é quem professa o judaísmo...

Sei que esses termos são mais modernos e que nem caberia academicamente falando, o termo judaísmo à época de Jesus, mas que seja.

O que quero dizer é que Jesus se via profundamente comprometido com a religião do seu povo, por isso mesmo, ele entrou em choque tantas vezes com os líderes religiosos do povo que tinham se distanciado da essência da religião dos grande profetas de Israel, dos quais ele mesmo, sentia-se herdeiro.

Sei que isso abriria um leque enorme de discussões, por isso, resumindo, tenho que concordar que Jesus jamais quis fundar o cristianismo, ou seja, uma nova religião.

Mas então, porque todos nós nos classificamos como "cristãos"?

disse...

Claudio seu texto é supimpa, mas não deu para eu comentar lá no seu blog, justamente porque estava eu limpando meu forno srsrs de um bolo que transbordou.

Edu, o Judaísmo rejeitou a Cristo, rejeitou o caminho para Deus o Pai.
Nos classificamos como cristãos porque seguimos a Cristo uai, pois a Igreja primitiva deu seguimento aos ensinamentos dEle o (mestre).

disse...

Ah! como diz o Edu, oi sumidaaaa srsr
o Eder também ta sumido demais. bjss

Marcos Vinicius Gomes disse...

Pois é...melhor do que reforma é a manutenção, algo diário e que gera resultados melhores e menos estrandosos...

Marcos Vinicius Gomes disse...

Pois é...melhor do que reforma é a manutenção, algo diário e que gera resultados melhores e menos estrandosos...

Regina Farias disse...

Eduardo, meu lindo,

Eu entendo essa classificação, esse orgulho em se auto-denominar "cristão" (Já que perdeu o seu real sentido lá mesmo na IPrimitiva, pois parecidos com Jesus é o que não somos mesmo rss) como uma necessidade humana de referência externa, de carregar um rótulo, um título,como em tudo que é inerente ao ser humano, como ser social.

Aliás, em termos de conquistas e perseguições, de repente atualmente esse título "cristão" estaria melhor aplicado ao judeu que viveu séculos nessa lida e espera.

Por outro lado,Jesus não era judeu, ou pelo menos nunca carregou bandeira, Ele apenas nasceu judeu, inclusive sua árvore genealógica é bem, digamos, conturbada; Ele nunca professou judaísmo nem nunca se comprometeu com a religião estabelecida à época junto a "seu povo". Pelo contrário!

Ora, Jesus veio justamente como transgressor, veio para quebrar os paradigmas instalados pelo judaísmo, a começar pela forma como veio ao mundo, comprometendo a moral e os costumes religiosos judaicos!

Ele veio para "trair" a tradição religiosa.E que nada tem a ver com instituições religiosas, mas com a transgressão no nível da alma (novo coração).

O judaísmo se firmava nas leis, essa era sua religião. E Jesus, no amor. E o amor, por si só, já exclui religião.

Eis o escândalo da Cruz!

beijos,

R.

João Carlos disse...

É Dri,

Sei que muita gente senta o pau no livro "A Cabana", mas em um determinado trecho do livro o Mack tá conversando com Jesus e Ele diz ao Mack:

"E quem disse que eu sou cristão?"

O barato é louco, muito louco!

Eduardo Medeiros disse...

Queridas Rô e REgina.

Vocês estão equivocadas. Na época de Jesus não tinha isso de só nascer judaico. Isso cairia melhor aqui no Brasil de uns tempos atrás em que todo mundo nascia católico mas muitos poucos de fato, o eram.

Jesus era profundamente arraigado nas tradições proféticas e escatológicas do judaismo primitivo.

Quem gosta de dizer que Jesus era judeu mas não era judeu, somos nós, os cristãos, que convertemos Jesus à força a essa coisa esquisita que foi construíde depois chamado cristianismo.

Todos os primeiros "cristãos" eram judeus fervorosos...duvida?

É só ler o livro de Atos e ver que todos eles continuaram assíduos frequentadores do Templo judaico de Jerusalém , logo, participando de todos os seus rituais.

Somente depois é que a seita do caminho (como eram conhecidos) se apartou do judaísmo por obra e graça do senhor Saula de Tarso.

Ô Dricaaaaaaaaaaa......

disse...

Cinqüenta dias após sua morte, durante a festa de Pentecostes, os discípulos anunciam que ele ressuscitara e os enviara a pregar por todo o mundo a boa nova da salvação e do perdão dos pecados. Esse é considerado o início da difusão do Cristianismo.
Doutrina cristã - A fé cristã professa que o Deus revelado a Abraão, a Moisés e aos profetas envia à Terra seu filho como messias salvador. Ele nasce numa família comum, morre, ressuscita e envia o espírito santificador (Espírito Santo) para permanecer no mundo até o fim dos tempos. A mensagem cristã se baseia no anúncio da ressurreição de Cristo, na garantia de que a salvação é oferecida a todos os homens de todos os tempos e na mensagem da fraternidade, à semelhança do amor que o próprio Deus dedica a todos os homens. Eu quero cada vez mais me parecer com ele, quero ser chamada de cristã , pois quero seguir seus ensinamentos, a sua mensagem, e se seguir a Cristo Jesus e seus ensinamentos tenho que levar este nome, então eu quero srsrs
eu quero este rótulo. Não me envergonho do Evangelho de Cristo, pois é poder de Deus para todo que nele crê. Paz!

Adriana disse...

Gente,

eu vejo da seguinte forma:
O Jesus nasceu em um contexto judaico, cresceu sob sua influência, foi submetido a todos os ritos de iniciação e foi morto por seus pares.É um contexto, não podemos fugir disto.
Agora, Ele deu um encarada forte em Moisés e para tanto, eu imagino, que Ele precisava ser da turma, entendem o que quero dizer?
Ele nasceu judeu mas nunca pregou o judaismo, ao contrário, subverteu o esquema.
O judaismo só conhece o que dEle se falou.
O paradoxo interessante é que Ele desde muito jovem já discutia com os doutores da lei.

abs

ô Du,

Tô correndo tanto por aqui, mas nõa pude deixar de atender seu chamado.

te amo ainda, viu.

Regina Farias disse...

Edu, meu amigo de fé, meu irmão, camarada :P

Eu não falei que na época de Jesus não tinha essa de só nascer judaico, se ligue! Eu me referi a J.E.S.U.S. especificamente.

Ele era judeu de "nascença" mas não seguia a religião judaica. Mas será o benedito?! Eu escrevi em hebraico, por acaso? afe! Eita menino difícil esse Edu :)

E já que vc cita Atos, onde entra o senhor Saulo de Tarso por exemplo na visão(comer animais imundos) que teve Pedro - já velho e certamente engessado pelos severos costumes/hábitos - acerca dos tais rituais, inclusive sendo um judeu ortodoxo hospedado na casa de um gentio? (gentios: considerados cães, imundos, etc)

Ele começou a romper com as regras judaicas por obra e graça de Saulo?

Cadê o equívoco?

Quanto a "nós" termos convertido Jesus a essa coisa esquisita e tal... me inclua fora dessa!!! Euzinha tô mais que forinha, sempre estive, nunca quis fazer parte disso, mesmo antes de entender como a coisa funcionava, quase nas fraldas!!!

Vixe, e é porque eu disse pra mim mesma que jamais entraria nesse tipo de debate...

beijinhos,

R.

Regina Farias disse...

Dri,

Mas eu não entendo o fato de Jesus discutir com os doutores da lei como um paradoxo. Vejo que seria justamente o resultado do que você acabou de dizer, ou seja: Jesus falava do que conhecia, por que não era uma tendência do judeu aprender logo cedo "acerca das leis e dos profetas"?

Não tem a ver, mas só lembrando, o próprio Lucas irmanou-se aos judeus e mesmo não sendo um deles,apartou-se dos pais ainda criança para os estudos obviamente dentro do rígido contexto judaico.

Tb te amo, Eduardo rss

bj
R.

Meninas do Reino disse...

Texto super-pertinente!
Eu tento pensar diferente do que está aí escrito e descrito, mas minhas conclusões tem a tendência de concordarem com o post.
Que Deus me ajude se estiver enganada!
Abraços,

Roberta

Adriana disse...

Entendo que naquele periodo de tempo os judaismo era decadente, os expoentes, bastiões se enrroscavam com a politica e eram joguetes de Cesar, no outro extremo estavam os insurgentes que não aceitavam a imposição politica e pegaram em armas, eram o zelotes.
A massa era seguidora da religião vigente, que era mais do que tudo um simbolo de uma nacionalidade, de um sentimento de grupo.
E fora disto tudo estava Jesus que não veio trazer religião alguma.
Os costumes religiosos seguiram os apostolos e como em qualquer ser humano normal, houve o processo de desconstrução que cada um precisou passar, assim como eu.
Paulo combateu os vicios relgiosos e escreveu sobre o processo.
Panorama, contexto.
Somos todos frutos e agentes do/no contexto.

abs a todos

disse...

Edu concordo contigo, quando vc diz que Ele estava arraigado na escatologia Judaica, e que os primeiros cristãos eram Judeus é claro, mas como a mensagem dele se difundiu? através de que?? Todos sabem que Jesus não veio trazer Religião alguma, mas através de que conhecemos esta mensagem??

Cláudio Nunes Horácio disse...

Oi Dri, só agora vi que postou meu texto, obrigado por divulgar. To me divertindo aqui com o debate, muito bom por sinal. Obrigado a todos por ampliarem a visão geral com contextos e fatos históricos. Graça, paz e bondade.

disse...

Edu, segundo a Torá viria um profeta para reafirmar as verdades da torá e não fundar nenhuma religião, por isso eles entendem que Jesus criou uma nova religião, isso na visão do Judeu. Paz!

Eduardo Medeiros disse...

Minhas queridinhas, vocês nunca leram os evangelhos...Drica, te dou um desconto pois das duas, você é a mais bem informada kkkkkkkkkk não me crucifiquem!!!!

Por favor, interpretem para mim o seguinte dito de Jesus?
Eu penseis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim para destruí-los, mas para cumpri-los. Em verdade vos digo que até que o céu e a terra passem, nem um jota ou til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido. Qualquer que violar um destes mais pequenos mandamentos (...)será chamado o menor no reino(...)aquele que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus. Mt 5.17-20

Então, o assunto é muito complexo. Não se pode investigar esse tema apenas com leituras devocionais dos Evangelhos. Demandaria muitas páginas para dissecar o que acontece em relação à lei e a Jesus. Sei que alguns fazem uma ginástica hermenêutica para explicar esse dito de Jesus, mas uma interpretação a partir da sua própria visão cristã posterior, o que é um erro grotesco.

Regina, Jesus não quis abolir a lei do seu povo e da sua religião; o que ele queria fazer era purificá-la dos pendulicários que os Fariseus acabaram colocando na lei durante os anos. Por isso os famosos: “ouvistes o que foi dito...eu porém, vos digo”. Em nenhuma dessas frases, Jesus aboliu nenhuma lei da tora, apenas, ensinou-lhes o verdadeiro sentido.
Então, dizer que Jesus não seguia a religião judaica é um erro histórico e exegético. É uma interpretação a partir da compreensão do cristianismo posterior. Se concordamos que Jesus não fundou o cristianismo, logo, pergunto: devemos dar crédito aos dogmas cristãos?

Quem quiser de fato, seguir Jesus, deve ficar longe do cristianismo, pois o que os cristãos seguem desde o primeiro século, é o paulinismo. Jesus nunca contrapôs a lei à graça, nunca falou de justificação, de que sua morte seria vicária, nunca falou que sua mensagem era para o mundo todo (ao contrário: “eu vim para as ovelhas perdidas da casa de Israel...”; “não é justo tirar o pão dos filhos (os judeus) para dá-los aos cachorros (pagãos; cão – animal imundo), e por aí vai)...
Teria muita coisa para dizer sobre o tema, mas com certeza, vocês não suportariam (kkkkkkkkk desculpem a pretensão.

E outra pergunta básica: Se foi Deus que deu a lei a Moisés e lá na lei está dizendo que aquilo é válido perpetuamente, que Deus não muda, como agora o próprio Deus anularia a Lei que ele mesmo deu? Ele se tocou que cometeu um tremendo erro?

disse...

Dudu disse: E outra pergunta básica: Se foi Deus que deu a lei a Moisés e lá na lei está dizendo que aquilo é válido perpetuamente, que Deus não muda, como agora o próprio Deus anularia a Lei que ele mesmo deu? Ele se tocou que cometeu um tremendo erro?

O que foi abolido foi a letra fria Dudu. Paz!

disse...

O que foi anulado foi só a letra fria pois ele disse assim:
Heb 8:7-13­ "Porque, se aquela primeira aliança tivesse sido sem defeito, de maneira alguma estaria sendo buscado lugar para segunda. E, de fato, repreendendo-os, diz: Eis aí vêm dias, diz o Senhor, e firmarei nova aliança com a casa de Israel e com a casa de Judá, não segundo a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os conduzir até fora da terra do Egito; pois eles não continuaram na minha aliança, e eu não atentei para eles, diz o Senhor. Porque esta é a aliança que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o Senhor. Nas suas mentes imprimirei as minhas leis, também sobre os seus corações as inscreverei; e eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. Amém Edu!

Regina Farias disse...

Eduardo,

É lamentável que você não tenha lido com atenção o que eu escrevi, pois em nenhum momento tem qualquer frase de minha autoria dizendo que Jesus quis abolir a lei do seu povo e da sua religião.

E outra: não estou disputando quem sabe mais do Evangelho, quem é cristão, quem é paulino, quem faz leitura devocional ou quem sabe de tudo e mais alguma coisa. Já passei dessa fase faz um tempinho.

Por outro lado me entristece (mas vou sobreviver) porque eu acho totalmente desnecessário o deboche, o debate vão e a disputa em exposição tola que não leva a absolutamente nada.

Abraços!

R.

Cláudio Nunes Horácio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cláudio Nunes Horácio disse...

O próprio texto se auto-interpreta, “sem que tudo seja cumprido” e Ele já cumpriu, portanto é o fim da lei, como diz o texto canônico de Rm 10.4, não faço distinção de Escritura, senão fica muito fácil provar qualquer coisa. A bíblia é a Escritura, a bíblia toda, não tem essa de paulinismo, ou pedrismo, ou joanismo é tudo INSPIRADO. Isso se quiser ser chamado de cristão, pois os cristãos aceitam a bíblia toda.
Não há ginástica hermenêutica alguma, o que há é que uns aceitam os textos sagrados dos cristãos e outros só aceitam o que convém a eles como é o caso dos homossexuais que distinguem o que Paulo diz de todo o restante das Escrituras, porque Paulo diz explicitamente que ser gay é pecado. Como ser adúltero, sovina, idólatra, mentiroso, assassino, dissimulado, ou seja, gay é só mais um pecado comum como todos os outros. Aí se homossexuais não entrarão no Reino, todos os outros também não entrarão, acontece que para isso temos Jesus:
Mateus 20:28 tal como o Filho do Homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos.
Portanto todos os que crerem entrarão, pois Ele deu Sua vida em resgate ou seja redenção, nos redimiu ou nos justificou não é invenção paulina isso.
“eu porém vos digo” significa AUTORIDADE divina.
Jesus não seguia a religião judaica de jeito nenhum, Ele comia sem lavar as mãos, não guardava os sábados, não fazia purificações, não distinguia lugares sagrados e profanos, não se vestia como fariseu, saduceu o o que for, não se relacionava só com os iguais, conversava até com mulher e pior, samaritana, não fazia nada que o judaísmo ordena.
Jesus realmente não fundou o cristianismo, o cristianismo escreveu sua história com o sangue dos diferentes, daqueles que discordavam dele, Jesus nunca matou ninguém e nem ordenou que alguém o fizesse em Nome dEle.
Não devemos dar crédito aos dogmas cristãos não, porém precisamos distinguir o que sejam dogmas do que seja ensino de Jesus.
Deus não anulou a lei, Ele cumpriu a lei no nosso lugar. A revelação de Deus foi progressiva e o ápice é a encarnação da Sua Palavra, Jesus Cristo que cumpre a lei e nos dá novo mandamento. Não há remendo, é tudo com propósito.
É assim que vejo, por isso escrevi.

João Carlos disse...

Eduzinho meu irmão...

Tú gosta de polemizar né?

Faz umas afirmações categóricas, como se realmente tivesse provas cabais do que está falando...

Digo isso em relação à sua afirmação (no mínimo)dura:

"Minhas queridinhas, vocês nunca leram os evangelhos...Drica, te dou um desconto pois das duas, você é a mais bem informada kkkkkkkkkk não me crucifiquem!!!!"

Pega leve meu irmão...

Abraço!

JC

João Carlos disse...

Gostaria de fazer outros pequenos comentários:

1) Sobre o trecho "Em verdade vos digo que até que o céu e a terra passem, nem um jota ou til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido", que seja entendido que a Lei foi plenamente cumprida em Jesus. ELE cumpriu a Lei cabalmente.

Nós, homens pecadores e falhos, apenas temos que nos render Àquele que cumpriu a mesma pela fé. Assim, somos considerados justos perante Deus.

2) Quando à divisão entre as palavras de Jesus versus o que é considerado "paulinismo" discordo totalmente. Ou toda Escritura é inspirada pelo Verbo, ou se trata de um livro de receita. E vejo que esta postuar é a que vem sendo considerada, baseado em comentários feitos em vários textos.

Não posso continuar crendo em algo que acredito ser falho. Isso não vem de Deus, isso não é de Deus, não posso rasgar a Bíblia para acomodá-la aos meus conceitos pessoais.

É isso gente, falei!

Abraço a todos!

JC

João Carlos disse...

Creio que cabe aqui a leitura do texto "paulinista" contido em Gálatas 3:

"1 Ó insensatos gálatas! quem vos fascinou a vós, ante cujos olhos foi representado Jesus Cristo como crucificado?

2 Só isto quero saber de vós: FOI POR OBRAS DA LEI QUE RECEBESTES O ESPÍRITO OU PELO OUVIR COM FÉ?

3 Sois vós tão insensatos? tendo começado pelo Espírito, é pela carne que agora acabareis?

4 Será que padecestes tantas coisas em vão? Se é que isso foi em vão.

5 Aquele pois que vos dá o Espírito, e que opera milagres entre vós, ACASO O FAZ PELAS OBRAS DA LEI, OU PELO OUVIR COM FÉ?

6 Assim como Abraão creu a Deus, e isso lhe foi imputado como justiça.

7 Sabei, pois, que OS QUE SÃO DA FÉ, ESSES SÃO FILHOS DE ABRAÃO.

8 ORA, A ESCRITURA, PREVENDO QUE DEUS HAVIA DE JUSTIFICAR PELA FÉ OS GENTIOS, anunciou previamente a boa nova a Abraão, dizendo: Em ti serão abençoadas todas as nações.

9 De modo que os que são da fé são abençoados com o crente Abraão.

10 POIS TODOS QUANTOS ESTÃO DEBAIXO DAS OBRAS DA LEI ESTÃO DEBAIXO DE MALDIÇÃO; porque escrito está: MALDITO TODO AQUELE QUE NÃO PERMANECE EM TODAS (TOOOOOODDDDAAAAAASSSSSSSS!!!!)AS COISAS QUE ESTÃO ESCRITAS NO LIVRO DA LEI, PARA FAZÊ-LAS.

11 É EVIDENTE QUE PELA LEI NINGUÉM É JUSTIFICADO DIANE DE DEUS, PORQUE: O JUSTO VIVERÁ PELA FÉ;

12 ora, a lei não é da fé, mas: O QUE FIZER ESTAS COISAS, POR ELA VIVERÁ.

13 CRISTO NOS RESGATOU DA MALDIÇÃO DA LEI, FAZENDO-SE MALDIÇÃO POR NÓS; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro;

14 para que aos gentios viesse a bênção de Abraão em Jesus Cristo, a fim de que nós recebêssemos pela fé a promessa do Espírito.

15 Irmãos, como homem falo. Um testamento, embora de homem, uma vez confirmado, ninguém o anula, nem lhe acrescenta coisa alguma.

16 Ora, a Abraão e a seu descendente foram feitas as promessas; não diz: E a seus descendentes, como falando de muitos, mas como de um só: E a teu descendente, que é Cristo.

17 E digo isto: Ao testamento anteriormente confirmado por Deus, a lei, que veio quatrocentos e trinta anos depois, não invalida, de forma a tornar inoperante a promessa.

18 Pois se da lei provém a herança, já não provém mais da promessa; mas Deus, pela promessa, a deu gratuitamente a Abraão.

19 LOGO, PARA QUE É A LEI? FOI ACRESCENTADA (ACRESSSSSCEEEENNNTAAAAADAAAAAA) POR CAUSA DAS TRANSGRESSÕES, até que viesse o descendente a quem a promessa tinha sido feita; e foi ordenada por meio de anjos, pela mão de um mediador.

20 Ora, o mediador não o é de um só, mas Deus é um só.

21 É a lei, então, contra as promessas de Deus? DE MODO NENHUM; porque, SE FOSSE DADA UMA LEI QUE PUDESSE VIVIFICAR, A JUSTIÇA, NA VERDADE, TERIA SIDO PELA LEI.

22 Mas a Escritura encerrou tudo debaixo do pecado, para que a promessa pela fé em Jesus Cristo fosse dada aos que crêem.

(AQUI É ONDE FICA CLARO PARA QUEM QUISER ENTENDER!!!!!)

23 MAS, ANTES QUE VIESSE A FÉ, ESTÁVAMOS GUARDADOS DEBAIXO DDA LEI, ENCERRADOS PARA AQUELA FÉ QUE SE HAVIA DE REVELAR.

24 DE MODO QUE A LEI SE TORNOU NOSSO AIO (aio: Indivíduo encarregado da educação doméstica de filhos de pessoa de grande tratamento), PARA NOS CONDUZIR A CRISTO, A FIM DE QUE PELA FÉ FOSSEMOS JUSTIFICADOS.

25 MAS, DEPOIS QUE VEIO A FÉ, JÁ NÃO ESTAMOS DEBAIXO DE AIO.

26 POIS TODOS SOIS FILHOS DE DEUS PELA FÉ EM CRISTO JESUS.

27 Porque todos quantos fostes batizados em Cristo vos revestistes de Cristo.

28 Não há judeu nem grego; não há escravo nem livre; não há homem nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus.

29 E, SE SOIS DE CRISTO, ENTÃO SOIS DESCENDÊNCIA DE ABRAÃO, e herdeiros conforme a promessa.

A Bíblia, definitivamente, NÃO É UM LIVRO DE RECEITAS.

João Carlos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João Carlos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
disse...

Concordando com João e Claudio.
O NT "explica" o VT. Nâo anula os fatos históricos, nem os princípios, mas anula a letra fria.
Quem vive na graça mas vive na observância de preceitos da lei, acaba não fazendo nada direito...no fundo é uma pessoa confusa que precisa conhecer a graça contida em Cristo.
se as As 613 leis foram abolidas prevalecendo a graça, o que quer dizer isto então?
A Lei é regra de juízo. Imaginem: Um juiz julga baseado em que?
A Graça mediante a fé em Cristo é que conduz o pecador arrependido ao caminho da salvação. Se o pecador volta ao pecado deliberadamente ele será julgado em que parâmetro? Alguns dizem que será julgado pela lei de Cristo.
Pergunto: Que lei de Cristo??
É através da lei que o homem é julgado. É através da graça mediante a fé que o homem é salvo ou condenado.
O contexto do VT a palavra lei e mandamentos sempre se referem aos ditames de Moisés dado a Israel.
Os israelitas estavam debaixo da lei de Deus dada a Moises, sujeito ao velho concerto.
no NT quando se fala em seus mandamentos ou na lei de Cristo deve-se levar em consideração o contexto da Nova Aliança e não o da antiga.
Leva-se em consideração a Cruz e não o Sinai. Paz!

disse...

A Bíblia não é um livro de recita ela é autoridade, infalibilidade e inerrânte palavra!

João Carlos disse...

Por onde andas dona Dri?

Cláudio Nunes Horácio disse...

É, por onde andas?

Eduardo Medeiros disse...

Gente, por favor, parece que eu fui mal interpretado: Não debochei e nem "peguei pesado" com ninguém, o que disse, disse em tom de brincadeira, quem me conhece melhor, sabe que eu não menosprezo as teses religiosas de ninguém. Portanto, se algumas de minhas palavras foram lidas como deboches, peço desculpas, mas não foi essa minha intenção.

Para que isso não venha a ocorrer novamente, paro por aqui esse debate.

Regina, não há nenhum problema em debater. O cristianismo foi forjado nos embates teológicos desde o primeiro concílio de Jerusalém, conforme Atos 15.

Paulo também teve um arranca rabo com Pedro e lhe disse coisas duras na cara que com certeza deixaram o velho pescador fulo de raiva. Mas tudo no fim, ficou em paz, pois o amor do Mestre pulsava em suas veias.

Abraços a todos.

Eduardo Medeiros disse...

E só uma questão que não dá pra deixar passar: quem diz que Jesus cumpriu a Lei e por isso nós não temos que cumprir é a doutrina cristã, sim, desenvolvida por Paulo. Alguém já leu nos evangelhos Jesus pregando o que Paulo pregou? Jesus não conhecia a maioria das formulações teológicas que Paulo fez. Não digo isso como uma crítica a Paulo, pois se não fosse ele, talvez hoje ninguém soubesse que Jesus tinha existido.

E quando eu debato os evangelhos, eu não faço a partir da minha fé, pois isso seria começar tudo já comprometido com uma certa visão que é minha, de fé.

Procuro ler através da história, da crítica literária, da crítica das formas, etc. Ou seja, por metodologias e não por fé em doutrinas.

falei que não ia mais debater...rssss

Eduardo Medeiros disse...

João, ainda em relação a sua fala



"Não posso continuar crendo em algo que acredito ser falho. Isso não vem de Deus, isso não é de Deus, não posso rasgar a Bíblia para acomodá-la aos meus conceitos pessoais."

Eu nunca disse que a bíblia é falha. Acontece, meu amigo, como você bem sabe, quem escreveu a Bíblia não foi Deus. Se a bíblia não tivesse discordâncias em suas teologias (e ela tem aos montes, é só deixar o preconceito para ver), aí sim eu dssconfiaria que ele seria uma fraude.

João Carlos disse...

Edu, meu querido...

Deixa só eu entender uma coisa, sem que você me leve a mal por isso:

Ao falar de "cristianismo" com você devo falar como quem fala com alguém que crê na Bíblia como um todo ou como eu converso com as pessoas que não a tem como regra de fé e prática, praticantes de outras religiões ou ateus, digamos assim?

Na boa mesmo, só pra entender.

Um abraço!

disse...

Edu A Bíblia foi então traduzida do hebraico para o grego pelos copistas, a Bíblia já foi traduzida, pelo menos 2.454 línguas e dialectos . Pode haver alguns erros de traduções, mas nem por isso ela deixa de ser a palavra de Deus.

 

Posts Comments

©2006-2010 ·TNB