O bonzinho - parte I

quinta-feira, 10 de março de 2011


Quando Jesus estava em uma de suas caminhadas foi abordado por um rapaz que ajoelhou-se e o chamou  de bom mestre, fez a pergunta fatídica e bem caxias sobre a vida eterna, e não poupou gestos nem palavras,  fez tudo tão certinho, que eu, no lugar de Jesus, teria dado nota 10 para ele no quesito performance santa.Veja lá no livro escrito por João Marcos 10:17,18.

Contudo, o elogio e a porta do céu aberta não aconteceram. Jesus o admoestou, o repreendeu, "pegou no pé" como diríamos mais informalmente.

Jesus queria saber o por que de chamá-lo de bom.

Em minhas divagações, pensei que esta abordagem de Jesus foi no ponto nevrálgico da essência daquele ser. Eu vejo Jesus fazendo isto o tempo todo nos evangelhos, e Ele com certeza faz nas minhas longas caminhadas na roda do hamister existencial. Estas abordagens "tapa na cara"  são minha cura.

Jesus mostra que Deus não é manipulado por projeção de homem (projeção conceito psicanalítico que, resumindo mal e porcamente, diz que jogamos para cima do outro o que na verdade só faz sentido para nós).

O rapaz pensou assim: Vejamos, eu sou todo certinho, todo limpinho, todo cumpridor de meus deveres religiosos, eu sou bom!Quiça o Bom! Claro que este Rabi irá me considerar dessa forma e estaremos no mesmo clubinho, na mesma facção, na mesma casta santa. Oh gloria!

A questão é que, com Deus a regra se subverte, e em inumeras vezes que tentamos ser muito bons ou bonzinhos estamos fazendo o esquema da "justiça própria" , da busca pela santidade através do  ascetismo rigoroso. Viramos mini fariseus tentando cumprir o impossível, jogando o sacrifício no lixo, com a maior da boa intensão, claro.

 Jesus diz ao rapaz: Só Deus é bom, meu filhinho se liga, não vai rolar! O que você considera bom é trapinho.

Mano, não dá para ser bonzinho 24 hs por dia, não se engane. A pior mentira é aquela que contamos para nós mesmos. Uma hora nosso lado B será revelado, ele vem a tona fatalmente, e quem dera Jesus diga para você e para mim, "Queridão, seu negocio é grana (entenda aqui qualquer tipo apego, como por exemplo religião, regras vazias de sentido, hedonismos e por ai vai) , seu coração não está comigo, sua boca fala de devoção mas seu coração quer outra coisa."

Ele jogará luz em nossa vingança dissimulada, em nossa raiva camuflada de boas ações aos inimigos, em nossa  agressividade passiva, em nossa manipulação venenosa, em nosso jeitinho todo bondoso que abaixa a guarda do outro de forma que o ataquemos com mais assertividade, em nosso ensimesmamento umbigal que nos faz considerar que somos o centro da terra, enfim Ele nos mostra quem realmente somos, então teremos a convicção que nada podemos fazer e que devemos apenas nos submeter e se entregar sem condicionamentos religiosos, a aquele que é realmente Bom.

Faz algum sentido para você?



Adriana Chalela Curdoglo

7 comentários:

Regina Farias disse...

Faz todo sentido!

Essas abordagens "tapa na cara" são também minha cura diária, pois nossa natureza humana tende a achar que, pelo fato de estarmos seguindo determinada linha igrejista, estamos agradando ao Pai.

Então nos agarramos à mãe-denominação e esquecemos da simplicidade do Evangelho.

Valeu pela reflexão que nos conduz a uma maturidade que é processo pra vida inteira.

bj

Rê.

João Carlos disse...

Eita lailá!!!!!!!!!!!

Nada a acrescentar, simplesmente é isso e ponto!

Beijos...

JC

Wendel Bernardes disse...

Adriana,
que bom ler um texto tão honesto, tão Gracioso (com o perdão do trocadilho).

Somos pessoas que nasceram debaixo de uma influência 'religiosa/cristã' que de tão densa e paupável, trocamos a realidade da Graça por, como sempre digo, meias verdades que se tornam mentiras inteiras!

Essa 'culpa' não é nossa, mas de quem decidiu começar a crer que a Graça era completa apenas com tantinhos da Lei. Hoje, vivemos completamente à margem da Graça.

O jovem que abordou Jesus era assim.

Fui assim até anteontem. Mas creio que a subversão atingirá os que possuem Veradeira Paixão pelo Caminho, por Deus, por Jesus!

É nauseante. É difícil entender, mas é assim, e como as escamas de Saulo só caíram com a devida ministração, advindas da vida de Ananias (simbolizando o próprio Deus), da mesma forma, seu texto nos serve de unguento, que retira escamas!

Ótimo ler você!

René disse...

Faz muuuiiito sentido, Dri!!!

Quantas vezes nos pegamos (cristãos, ou não) dizendo (ou, no mínimo, pensando): "Olhem para mim!"; "Como eu sou bonzinho, não?", assim como fazemos 'pose' e temos falsas posturas?

Graças a Deus, que através do Seu Espírito, nos dá esses 'tapas na cara', a fim de que caiamos de nossos enormes cavalos, com a cara no pó, e entendamos que toda essa nossa aparência é trapo de imundície. O que vale é o nosso coração estar confirmado na Graça Daquele que é realmente Bom!!!

O&A

Eduardo Medeiros disse...

muito bom...

o problema não é ser bom, o problema é querer parecer bom...

abraços

Cláudio Nunes Horácio disse...

Oxê! E isso é pergunta que se faça? kkk, faz TODO sentido, só faz sentido. Dri, esse texto disse tudo. Maravilhoso! Vou postar no blog tá bom querida? Beijos

Adriana disse...

Amigos de todas as horas,


Eu estou na moinha.


abraços

 

Posts Comments

©2006-2010 ·TNB